Buquê de Noiva (Spiraea cantoniensis)

buquedenoiva00Este arbusto ficava à esquerda do portão lá de casa, isolado e na memória que tenho dele, parecia sempre florido. Brinquei muito na sua sombra. Até que um dia… foi arrancado para uma intervenção e nunca mais tive outro por perto.

Seu nome é Buquê-de-Noiva (Spiraea cantoniensis), em espanhol é Corona-de-Novia e em inglês Bridal Wreath Spiraea. Se olharmos os buquês entendemos a razão deste nome. É originária do Extremo Oriente (China e Japão).

O Buquê-de-Noiva é um arbusto que pode chegar a 2 m de altura e 1,5 m de diâmetro. É bem ramificado, sendo seus galhos finos e flexíveis. Suas folhas são simples, alternadas, com borda irregular e num verde escuro. Medem de 2 a 6 cm de comprimento. Dá-se bem em climas tropicais a temperados. Dependendo do clima, e de sua saúde, pode florecer desde o Inverno até a Primavera.

boquedenoiva01As flores são abundantes. Surgem pequenos caules agrupados no final de um galho. Em cada um destes caules forma-se um botão. As flores abrem-se formando um buquê. Como o arbusto é bem ramificado estes buquês acabam por surgirem em abundância, sendo que na plena floração, quase que cobrem totalmente o arbusto, encobrindo as folhas. Há duas variedades de Buquê-de-Noiva que se diferenciam pelas flores: existe a variedade de flores dobradas e de flores simples. Mas nas duas variedades as flores são pequenas, com cerca de 1 cm de diâmetro. As flores são atrativas para borboletas, são uma boa alternativa caso se queira a presença de borboletas no jardim. Os frutinhos amadurecem no outono.

buquedenoiva03Quanto aos usos que se pode dar à planta, o Buquê-de-Noiva fica muito bem isolado, mas pode ser plantado em grupos pequenos (de 2 a 3) em esquinas, grandes canteiros ou integrando maciços. É comum vê-lo em parques ou jardins públicos.

O Buquê-de-Noiva deve ser cultivado a sol pleno, mas tolera meia sombra, desde que receba muita luz solar durante a maior parte do dia. O solo precisa ser fértil. Não tolera ventos fortes por seus galhos quebrarem facilmente. Em climas muito frios pode ser afetado por geadas fortes. Deve ser regada regularmente, principalmente nos períodos secos, apesar de ser relativamente resistente às secas leves. É recomendado adubá-la antes do início da floração.

Não necessita de podas, exceto no caso de se querer mantê-la limpa por baixo, dando mais forma de uma árvore, sendo necessário eliminar os galhos mais baixos. Caso não haja interesse em mantê-la limpa por baixo, crescerá e formará uma moita densa.

O Buquê-de-Noiva pode ser reproduzido por estaquia, tanto feitas com galhos mais velhos como novos. O período mais adequado para sua reprodução é o Inverno.

No caso deste arbusto pode-se dizer que tudo são flores, já que dificilmente é afetada por alguma praga ou doença, tendo normalmente uma longa vida.

______________________________________________________________________________________________

Fontes:

Arboles y Arbustos

Ecolage

Floridata

Paisagismo Digital

Mais imagens em:

Wikimedia

Anúncios

Cananga-do-Japão (Kaempferia rotunda)

cananga02Engana-se quem leu o título e pensou tratar-se daquela velha novela.

Esta planta descobri através de uma pessoa conhecida. Ela tem um viveiro em sua casa e no meio de suas tantas plantas tinha um vaso imenso repleto de Canangas-do-Japão. Ela mostrou a flor, que apresentou como Flor-da-Terra, com um sorriso nos lábios, mostrando profundo encantamento com a beleza e exotismo da flor. Ao ver uma delicada flor como que brotando diretamente da terra também me encantei. A muda dada então era um presente para minha mãe que entreguei em mãos, repetindo todas as instruções dadas para o cultivo – e o sorriso de encantamento pela flor. Recentemente mamãe anunciou que a plantinha morreu.

A Cananga-do-Japão (Kaempferia rotunda) também pode ser chamada de Flor-da-Terra, Flor-da-Ressurreição, Lírio-Misterioso, Cananga ou Ilang-ilang-da-Terra. Em espanhol é chamada de Ilang-ilang-de-la-tierra. Em inglês é chamada de Peacock-ginger, Flower-of-the-earth.

É originária da Ásia (Japão), sendo parente do gengibre. É uma planta herbácea que pode chegar a 60 cm de altura. As folhas são matizadas em diferentes tonalidades de verde na parte superior, sendo avermelhadas na parte inferior, formando grupos de folhas unidas na base. A floração é na Primavera e ocorre antes do surgimento das folhas. As flores são levemente perfumadas e lembram orquídeas. A vida da flor é de cerca de um a três dias, mas abrem continuadamente fazendo com que a floração dure mais de um mês.

cananga01Prefere ambientes quentes e úmidos e devem ser cultivadas sob sol pleno ou a meia sombra. O cuidado é que o ar que a circunda tenha sempre umidade, pondendo-se tê-la próximo a fontes de água. As regas devem ser moderadas, pois em excesso pode levar ao apodrecimento dos bulbos ou surgimento de fungos.

Se plantadas em um vaso este deve ser baixo, pois quando as flores aparecerem terá uma boa estética. No plantio em vasos deve-se misturar uma parte de terra comum, dois de composto orgânico e uma de terra vegetal. Se plantadas em canteiros, enquanto estiverem com folhas formarão um volume verde quase totalmente vertical, mas deve-se levar em conta o que se plantará ao redor pois as flores ficam mesmo juntas ao solo. O solo deve ser rico em matéria orgânica para que a planta tenha um bom desenvolvimento. Quanto a propriedades medicinais das plantas, seus rizomas são utilizados para tratamentos de pele, triturados ou secos misturado a água formando uma pasta, além de serem acrescentadas outras ervas.

No Inverno a planta entra em um período de dormência que dura até a Primavera seguinte. Neste período de dormência as regas devem ser diminuidas ao mínimo ou mesmo suspensas.

A reprodução é feita pela divisão dos rizomas que devem ser plantados em uma mistura de terra como foi descrito acima.

______________________________________________________________________________________________

Fontes:

Jardim de Flores

Cananga

Rainha da Noite (Hylocereus undatus)

rainhadanoite03A Rainha-da-Noite é uma flor espetacular. Possui flores de grandes dimensões e perfume intenso, produzindo um fruto saboroso e rico em vitaminas. A sua floração era um espetáculo lá em casa, sendo que todo dia verificávamos se havia alguma flor prestes a abrir. Quando acontecia esperávamos a noite chegar para ir ao jardim admirá-la e nos embebedarmos em seu perfume.

Além de Rainha-da-Noite (Hylocereus undatus) também é chamada de Flor-da-Noite, Dama-da-Noite, Pitaia, Cardo-Ananás, Flor-da-Lua, entre muitos outros. Em espanhol é chamada de Reina-de-la-Noche, Flor-de-Caliz, Pitahaya-Orejona entre outros. Em inglês é conhecida por Dragonfruit, Belle-of-the-Night, entre outros. No Oriente é conhecida como Fruta Dragão porque tanto o fruto como o caule que antecede as flores é recoberto por escamas que lembram as das tradicionais figuras dos dragões. O nome pitahaya deriva de palavra indígena que quer dizer fruto de escamas.

rainhadanoite01Não há certezas sobre a origem desta planta, sendo provavelmente da Índia ou das zonas tropicais do continente americano, desde o México até a Colômbia.

É uma cactácea de ciclo de vida perene, com raízes fibrosas e numerosas. Possui raizes aéreas das quais faz uso para fixar-se no solo ou em alguma superfície, além de serem utilizadas para a obtenção de nutrientes. Produz uma grande quantidade de ramos divididos em artículos. Só começa a florir após o terceiro ano e desde que cultivada em condições adequadas. A floração dura de finais da Primavera até princípios do Outono, sendo mais intensa em pleno Verão. As flores só desabrocham quando começa a anoitecer, permanecendo abertas até começar a nascer o sol. Algumas podem chegar a ter 3o cm de diâmetro. Produz um fruto comestível de casca vermelha e polpa esbranquiçada. Sua consistência lembra a do kiwi e o sabor é semelhante ao melão.

No paisagismo pode ser utilizada tanto em vasos como trepadeira. Devido às grandes dimensões que pode alcançar é mais apropriada para o plantio no solo, junto a uma superfície na qual as raízes aéreas possam agarrar-se. É ideal para jardins de pedra e pode também ser plantada junto a uma árvore na qual possa enramar-se.

rainhadanoitefrutoA Rainha-da-Noite também tem utilidades medicinais. Os frutos são ricos em vitaminas e fósforo, auxiliando na digestão. Pode ser consumido tanto ao natural (a polpa) como em sucos, geléias e doces. Pode auxiliar na redução do colesterol, regulação da diabetes e em gastrites. As sementes tem efeito laxante. Os talos e flores podem auxiliar em casos de problemas renais, assim como podem ser consumidos cozidos como um legume.

A Rainha-da-Noite deve ser cultivada preferencialmente em sol pleno, mas tolera meia sombra. Não suporta temperaturas abaixo dos 13ºC, sendo ideal quando está entre 18 e 32ºC. Caso passe por um longo período de frio pode mesmo morrer. O solo para seu cultivo deve ser leve com uma mistura de uma parte de terra de jardim uma de composto orgânico e duas de areia. As regas devem ser espaçadas, pois o excesso de água pode apodrecer a planta. Só deve ser regada quando o solo estiver seco na superfície. De 3 em 3 anos convém ser replantada.

A reprodução da Rainha-da-Noite pode ser feita por estaquia dos caulas ou por sementes. O método mais prático é por estaquia. Quanto maior for o segmento utilizado para a criação de uma muda mais rápido será seu enraizamento. Pode-se utilizar produtos que estimulem o enraizamento para apressar o processo, pois a tendência é que demorem cerca de 2 meses até enraizarem. Neste período de espera pelo enraizamento deve-se ter muito cuidado para evitar o excesso de umidade que pode levar ao apodrecimento da base. As estacas devem ser enterradas a apenas 1 cm de profundidade. Os possíveis brotos laterais que apareçam devem ser eliminados deixando apenas os que estejam mais verticais, permitindo que a planta tenha um crescimento melhor.

Quanto à reprodução por sementes, nós meros amadores, devemos deixar para profissionais. Esta reprodução é mais adequada para a produção de mudas para o melhoramento da espécie.

______________________________________________________________________________________________

Fontes:

Jardineironet

Jardim de Flores

Toda Fruta

Para ver mais imagens da Rainha-da-Noite visite a Wikimedia

Pescada com Molho de Sidra

Não gosto de comer peixe, já disse isto aqui. Mas… às vezes temos que fazer o sacrifício de comer, pois é saudável, faz bem à saúde, etc. Então fica hoje uma sugestão de peixe que eu consigo comer!

A pescada é um dos raros peixes que consigo comer, gosto do sabor, da consistência. Primeiro conheci este peixe como Merluza, e só depois aprendi que também diz-se Pescada em português. Como sou uma cozinheira preguiçosa assumida, costumo fazer de formas pouco saudáveis. Mas esta que se segue é até saudável e não é trabalhosa.

______________________________________________________________________________________________

PESCADA COM MOLHO DE SIDRA

Ingredientes:

4 postas grossas e grandes de pescada
1 cebola grande cortada em cubinhos
2 dentes de alho picados
2 colheres (sopa) de salsinha picada
2 cenouras
1 pimentão vermelho
1 pimentão verde
200 g de camarões-rosa ou lagostins sem a casca
4 colheres (sopa) de azeite
1 copo de sidra
1 colher (sopa) de farinha de trigo
pimenta-do-reino à gosto
sal à gosto

__________

Modo de Preparo:

Corte a cebola e os dentes de alho. Raspe as cenouras e corte-as em palitinhos. Corte os pimentões em tiras. Aqueça o azeite e refogue o alho e a cebola até que a cebola fique transparente. Acrescente a farinha, mexa rapidamente para que incorpore o azeite e não crie pelotinhas. Junte a sidra aos poucos, sem deixar de mexer. Tempere com o sal e a pimenta, junte a salsinha e deixe cozinhar por cerca de 7 minutos. Caso empelote este molho, passe-o por uma peneira metálica grossa para desfazer qualquer pelotinha que tenha se formado.

Em uma travessa que possa ir ao forno, coloque as cenouras, os pimentões e as postas de pescada e cubra-as com o molho feito previamente. Leve ao forno quente em temperatura alta por cerca de 10 minutos ou até que as postas e os legumes estejam devidamente cozidos. Após estes minutos, retire do forno, junte os camarões e leve novamente ao forno até que estes fiquem também cozidos.

Sirva em seguida, guarnecido com ervilhas e acompanhado de batatas ou arroz branco.

______________________________________________________________________________________________

Não sabe onde achar sidra? Eu também não ando sabendo onde achar por aqui onde vivo. Pode usar vinho branco, não é a mesma coisa mas serve.

Caso goste, pode acrescentar outros seres marinhos à mistura, como ameijoas ou vieiras.

As famosas batatas ao murro são um bom acompanhamento para este peixinho.

Lenda da Noite de São Silvestre

São Silvestre

São Silvestre

Todo mundo já ouviu falar de São Silvestre, pode até não saber quem é o santo mas já ouviu ao menos falar da Corrida Internacional de São Silvestre que acontece todo dia 31 de dezembro pelas ruas de São Paulo, sendo a mais famosa do Brasil.

Agora, o santo existiu sim! Ele foi o Papa Silvestre I, entre 31 de janeiro de 314 a 31 de dezembro de 335. Foi em seu papado, durante o reinado do Imperador Constantino I que teve início a Paz na Igreja, ou seja, o fim da perseguição aos cristãos na época do Império Romano.

Mas além do santo histórico, com existência concreta e fatos na medida do possível comprováveis, também existe o santo das lendas, das histórias ficcionadas para explicar fatos inexplicáveis. Existe uma lenda, originária da Madeira, que tem como uma das figuras centrais São Silvestre. É uma forma de explicar a origem dos fogos de artifício nas festas da virada do ano. Confira a versão abaixo.

______________________________________________________________________________________________

NOITE DE SÃO SILVESTRE

Há muito tempo atrás, muito tempo mesmo, existia uma ilha no Oceano Atlântico. Esta ilha era chamada de Atlântida, e o povo que nela vivia era a civilização mais avançada em seu tempo. Alguns dizem mesmo que era a mais avançada que já existiu! Mas este povo avançado tornou-se muito arrogante, achando que podia conquistar o mundo inteiro. A ousadia era tanta que o rei desta civilização atraveu-se a desafiar os céus. Os deuses avisaram-no que ele nada podia diante do poder deles. O rei não se abalou com o aviso, seguindo até a Grécia e atacando Atenas. Durante a batalha, o rei foi novamente avisado pelos deuses que nada podia diante do poder deles, e que a vitória seria de Atenas. E assim foi, além de perder a guerra o rei foi castigado duramente, pois terríveis tempestades, terremotos e maremotos destruíram por completo Atlântida. Séculos e mais séculos se passaram sem que alguém pudesse localizar o local onde um dia existira Atlantida.

7.18-Fogo-Fim-do-Ano_gr

Fogos de Artifício na virada do ano, Funchal, Madeira.

Um dia, a Virgem Maria estava debruçada nos céus, sobre o oceano, sentada em uma nuvem. São Silvestre aproximou-se para falar com ela. Era a última noite do ano e São Silvestre achava que deveria ser uma noite especial, com um significado diferente para os homens, marcando uma fronteira entre passado e futuro, um momento propício para o arrependimento do que fizeram de errado e de esperança por um futuro melhor. Ao ouvir o que pensava São Silvestre, A Virgem Maria achou a idéia muito boa. Foi então que revelou a ele o que fazia ali sentada observando o oceano, com certa tristeza. Estava lembrando da bela Atlântida, que fora destruída pelos erros e pecados de seus habitantes. Conforme falava de Atlântida, a Virgem Maria deixou cair lágrimas de profunda tristeza e misericórdia. É que apesar do castigo ao povo da Atlântida a humanidade não havia aprendido a lição, e continuava cometendo os mesmos erros. São Silvestre estava comovido com as palavras e a tristeza da Virgem Maria. Observando-a percebeu que suas lágrimas não eram simples lágrimas, eram na verdade pérolas que caíam dos olhos da Virgem. Um destas pérolas-lágrimas, caiu exatamente no local onde antes, no vasto oceano, existiu a Atlântida. Esta pérola acabou por dar origem à Ilha da Madeira, que é conhecida como Pérola do Atlântico.

Dizem os mais velhos que por muito tempo, nas noites de fim de ano, ao dar a meia noite, surgia nos céus um verdadeiro espetáculo de luzes e cores fantásticas, que perfumavam o ar com um aroma estonteante. O tempo foi passando, e estas luzes e cores deixaram de aparecer. Mas os homens, para recordar este fenômeno passaram a usar os fogos de artifício para celebrar a Noite de São Silvestre.

O Mistério da Estrada de Sintra

cartaz_mesO Mistério da Estrada de Sintra é um filme que me despertou a curiosidade já pelo nome. A palavra mistério atraiu como um íman. Lá fui eu saber do que se tratava o tal mistério. Para minha surpresa (todos somos um pouco ignorantes) a história já era bem velha e, inclusive, em parte escrita por um de meus escritores favoritos. Na verdade o filme é uma adaptação a uma história escrita por dois escritores, Eça de Queiroz e Ramalho Ortigão.

Eça de Queiroz e Ramalho Ortigão são dois nomes da literatura portuguesa que tiveram uma longa amizade, conhecendo-se ainda no colégio. Escreveram e publicaram pelo Diário de Notícias, em 1870, o Mistério da Estrada de Sintra. No ano seguinte começam juntos a publicar um jornal mensal chamado As Farpas. Neste jornal satirizavam a sociedade portuguesa do século XIX. As Farpas durou de 1871 a 1888, mas Eça de Queiroz só participou por pouco mais de um ano desta publicação.

Esta ficção passa-se em 1870, quando Eça de Queiroz e Ramalho Ortigão lançam um desafio mútuo de escrever um policial a quatro mãos para o Diário de Notícias. A questão que fica é se a história é de fato ficção ou se seria baseada em um caso real. A história, como tudo que tem um dedinho de Eça de Queiroz, é uma interessante crítica à sociedade da época, misturada às tramas típicas de um filme comercial dos dias de hoje. Quanto ao mistério a desvendar, tudo gira em algo que acontece na estrada de Sintra, algo que pode ser ficção ou fruto da mente de dois grandes escritores como já foi dito. O que será que aconteceu? Ou talvez, aconteceu alguma coisa? Veja o filme, claro!

O filme foi rodado em 2 meses com um orçamento de 2 milhões de euros. Entre os atores estão Ivo Canelas (Eça de Queiroz), António Pedro Cerdeira (Ramalho Ortigão), Bruna di Tulio (Condessa de Valada), Rogério Samora (Conde de Valada), José Pedro Vasconcelos (Vasco), Gisele Itié (Carmen), Flávio Galvão (Nicázio Puebla) entre outros. A direção ficou a cargo de Jorge Paixão da Costa que tem 10 longa-metragens no currículo, novelas, séries de televisão além de propagandas. Entre seus trabalhos está A Raia dos Medos, Lusitana Paixão e Roseira Brava.

Fique com o trailer deste interessante filme português com participação brasileira.

______________________________________________________________________________________________

Veja mais sobre o filme em:

Cinema Português

E aqui o site oficial

O Mistério da Estrada de Sintra

Dama-da-Noite (Cestrum nocturnum)

damadanoite00Ah, a minha Dama-da-Noite na janela… ficou lá no Brasil…

Há mais de uma flor que é conhecida com o nome popular de Dama-da-Noite. Mas a que pessoalmente denomino como Dama-da-Noite é a da foto ao lado, e somente ela é que chamo assim. A Dama-da-Noite (Cestrum nocturnum) também é conhecida com os nomes de Rainha-da-Noite, Flor-da-Noite, Jasmim-da-Noite, Coirana, Coerana e Jasmim-Verde. Em espanhol é chamada de Cotí, Dama-de-la-Noche e Galán-de-Noche. Em inglês é chamada de Night-blooming Cestrum, Lady-of-the-Night entre outros nomes.

Seu habitat original são as regiões tropicais da América, principalmente nas Antilhas e México, assim como também é nativa da Índia.

A Dama-da-Noite é uma planta arbustiva de ciclo de vida perene. Pode atingir alturas de até 4 metros, apesar de seu tamanho médio girar em torno de 1,5 m. Chega a 1,5 m de diâmetro. Tem caule com textura semi lenhosa, começando reto e ramificando-se de forma sinuosa, com terminações pendentes. As folhas são simples, ovais e brilhantes na parte superior. Possui flores de aroma inebriante que só se abrem e exalam este perfume durante a noite. O perfume da Dama-da-Noite é um dos mais fortes entre as plantas. As flores são pequenas em forma de cálice, com uma terminação que lhe dá o aspecto de uma estrela. São em grande número, de pequenas dimensões na cor branca, havendo uma variedade de flores amarelas. Enquanto estão fechadas as flores tem uma coloração esverdeada. Quando estão abertas são brancas em sua parte interna. A época de floração é a Primavera e o Verão. A polinização fica a cargo de abelhas, beija-flores e borboletas. Caso queira atrair borboletas para seu jardim a Dama-da-Noite é um bom chamariz. Os frutos são bagas de cor branca, translúcidos em sua parte interna.

damadanoite02Toda a planta é tóxica, mas nas folhas e frutos verdes há uma maior concentração de glicosídeo. A intoxicação provoca vômitos e náuseas, seguido de agitação psicomotora, distúrbios comportamentais e alucinações, midríase e secura das mucosas.

A Dama-da-Noite é utilizada tanto no paisagismo como na perfumaria. Segundo dizem, o óleo essencial é utilizado para manter o vigor sexual.

Em sua utilização como planta ornamental pode ser utilizada junto a cercas para recobri-las. Pode ser conduzida através de podas e tutoreamento, sendo utilizada como trepadeira. Normalmente é utilizada isolada mas pode ser em pequenos grupos que também dá um belo efeito. Deve ser cultivada a pleno sol para que produza mais flores. Caso se deseje que produza menos flores, pode ser cultivada a meia sombra, florindo menos e sendo menos perfumada. É indispensável em jardins aromáticos. Como toda planta de odor forte, não é conveniente tê-la próximo à casa, caso haja pessoas sensíveis a fortes odores, pois podem causar alguma reação alérgica.

damadanoitefrutosÉ uma planta rústica que exige poucos cuidados, adaptando-se melhor a locais de clima quente e úmido. Deve ser cultivada em sol pleno. Ainda que esteja em uma área sombreada, deve receber luz solar direta a maior parte do dia. Não se dá bem com a salinidade, não sendo conveniente para jardins de casas próximas à praia. O fato da planta ser tóxica exige cuidados em seu manuseio. Lave muito bem as mãos após tratar da planta, e preferencialmente utilize luvas. Só deve ser regada quando a terra estiver seca, sendo que o solo deve ser arenoso e rico em matéria orgânica. Na adubação utilize adubos que contenham fósforo. Em relação aos adubos naturais pode-se utilizar tanto farinha de osso (pó de osso) como farinha de peixe. A adubação deve ser feita ao menos uma vez ao ano e sem exageros. Ao adubá-la não deixe o adubo exposto na superfície, no caso dos adubos em pó, removendo um pouco a terra e misturando-o a ela. Se plantadas em vasos devem ser adubadas e regadas com maior frequência. Pode ser podada, sendo o momento ideal para isto o período logo após o fim da floração, dando preferência a tirar-lhe apenas galhos secos ou doentes. É uma planta invasiva sendo que, a qualquer descuido pode espalhar-se facilmente.

damadanoitesementesA multiplicação é feita na Primavera, Verão e Inverno. Sua reprodução pode ser feita através de estaquias dos ramos ou por sementes. As sementes têm apenas 1 mm, sendo esféricas e achatadas. Como é comum, plantas de maiores dimensões levam um tempo considerável para atingirem a maturidade quando multiplicadas através de sementes, sendo mais prático a produção através de estaquia pela maior rapidez a atingir a maturidade.

É uma pena que ainda não inventaram uma forma de se sentir aromas pela internet, pois este post só estaria completo se fosse possível sentir o intenso perfume destas pequenas flores.

______________________________________________________________________________________________

Fontes:

Ambiente Brasil

Jardineironet

Veja aqui mais imagens de Dama-da-Noite

Wikimedia