Troca de Livros e Gibis

Troque os seus também.

Sempre tive um problema com gibis velhos que tinha guardado. Precisa me livrar deles. Eram histórias que eu não leria novamente. Mas como me livrar deles? Pensei em sebos, mas sebos já vendem barato então devem pagar o que? Centavos? Com isso me dava pena vender.

 Uma mensagem de um amigo veio com a solução. A mensagem informava de  uma tal de feira de troca de livros e gibis. Muito desconfiado da tal feira, que caia justo no domingão, peguei todos meus livros e gibis do qual a história não havia gostado e coloquei na mochila com a esperança de trocar ou até mesmo vender. Digo esperança por que até então não tinha certeza de como seria. Pensei em varias possibilidades, a primeira seria que a troca seria o equivalente a história ou ao autor até mesmo conservação ou algo assim, e a segunda que ao invés de trocar, o pessoal estaria vendendo o que é pior já que no momento estava desprovido de poder aquisitivo. Felizmente estava enganado.

 A feira funciona da seguinte maneira: Você leva livros ou gibis e troca um por um, livro por livro, gibi por gibi, gibi por livro e vice versa. Mas Atenção, não vale trocar livros técnicos e revistas normais (tipo veja, super interessante e etc) apenas livros de literatura e histórias em quadrinhos.

 

Gostei muito da feira! Consegui trocar bastantes revistas em quadrinhos. Dei um upgrade na minha coleção de quadrinhos e até começar uma pequena coleção de Julio Verne. A feira aconteceu no ultimo domingo, dia 2, no parque do Piqueri e foi coordenada pelo Sistema Municipal de Bibliotecas. Confira abaixo o calendário das próximas feiras:

 Parques da cidade de São Paulo onde ocorrerá a feira de Troca de Livros e Gibis

13 de setembro – Parque da Luz
Praça da Luz, s/n° – Bom Retiro – Centro

4 de outubro – Parque Cidade de Toronto
Av. Cardeal Mota, 84 – City América/ Pirituba – Zona Norte

8 de novembro – Parque Santo Dias
Estrada de Itapecerica, altura do n° 4.800 – Capão Redondo – Zona Sul

__________________________________________________________________

Fonte: Catraca Livre

TRUE BLOOD

E os vampiros estão na moda.

postertrueblood

Essa série me chamou a atenção pela sua temática sobre vampiros, mas não esperava muito, felizmente fui surpreendido. A série é muito boa, digna da HBO.

true_bloodA série produzida por Alan Ball, é uma adaptação da série de livros “Vampiros Sulinos” de Charlaine Harris. Na história os japoneses inventam o sangue sintético (o True Blood que da o nome a série), com isso os vampiros revelam ao mundo que sempre existiram. Imagine se isso realmente acontece-se, as mudanças que isso causaria, em que posição a igreja ficaria, quais seriam as mudanças na política, como reagiriam as pessoas? E é isso que a série responde. No começo é mostrado muito preconceito, afinal, os vampiros devem ou não serem temidos? Essa é outra coisa que gosto muito nessa série, os personagens não são aqueles 100% bonzinhos, é uma balança entre o bem e o mal, como no Yin Yang. Com o caráter questionável, são personagens assim que mais se aproximam da realidade. A história começa quando o vampiro Bill Compton (Stephen Moyer) retorna a sua cidade natal despertando o interesse de uma garçonete telepata Sookie Stackhouse (Anna Paquin) e a desconfiança da população. Claro que a série acaba tendo um romance, mas as histórias paralelas são muito bem construídas e alem disso possui seus momentos cômicos e até mesmo TRASH (dignas de tarantino) em algumas cenas com vampiros.

Site Oficial

Domingo passado dia 14/06, foi à estréia da segunda temporada, e felizmente não mudaram a abertura, uma das melhores aberturas de séries que já vi.

Sou o Melhor Naquilo Que Faço

Mas o que eu faço não é muito agradável.

A semana passada foi repleta de notícias envolvendo o mutante canadense Wolverine. Depois que a secretária da empresa onde trabalho e meu chefe ficaram comentando sobre o filme “X-Men Origens: Wolverine”, senti vontade de assistir. Eu não estava levando fé nessa adaptação, não só por toda a crítica negativa que o filme recebeu, mas também por achar estranho a atitude da Fox de voltar aos sets de filmagem para regravar algumas cenas. Com Hugh Jackman no Brasil e o filme no cinema, decidi conferir o primeiro filme solo dos X-Men.

Wolverine é corinthiano!

Wolverine é corinthiano!

O Começo é muito bom, a história é bem contada e as seqüências das guerras em que o mutante participou é empolgante, mas infelizmente o filme para por ai. Somos apresentados a uma série de cenas de ação, que funciona bem se você não tiver interesse na história. E como eu estava afim de ver a história do Wolverine sai do cinema meio decepcionado. Isso já era esperado, até porque o rótulo de anti-herói foi trocado para herói. O filme demonstra um Wolverine bonzinho e às vezes inocente. As lutas do Dentes de Sabre contra o Wolverine ficaram ótimas. Liev Schreiber estava perfeito no papel de Dentes de Sabre, e como é maior que o ator Hugh Jackman, dava a impressão de que Jackman era mesmo o baixinho canadense.

Dentes de Sabre

Não contente em apenas assistir ao filme, decidi assistir a animação em média metragem “Hulk vs Wolverine” que estava juntando poeira na minha estante virtual. A animação é excelente, mostrando toda a arrogância de Logan e outros mutantes coadjuvantes como: DeadPool, Omega Vermelho e Lady Deathstrike. Ao contrario do filme que as garras de Adamantium cortam tudo sem nenhuma gota de sangue, na animação até membros são decepados. Até mesmo a passagem pelo projeto Arma X aqui é melhor contada e ainda podemos ouvir o Hulk dizendo “Hulk esmaga homenzinho!”.

Hulk vs Wolverine

Hulk vs Wolverine

Apesar das críticas negativas e do vazamento na internet o filme foi muito bem nas bilheterias e a Fox já confirmou a continuação que contara a saga do Japão.

Wolverine: Um animal com três garras que enfrenta animais maiores

Wolverine: Um animal com três garras que enfrenta animais maiores

Pesquisando sobre o assunto achei um cara que pode desbancar o posto do Nasi de Wolverine brasileiro confira:

Andrea Bocelli no Brasil

Sei que estou atrasado, mas não poderia deixar de relatar um acontecimento como esse.

Andrea Bocelli

Andrea Bocelli

No ultimo dia 20 fui surpreendido com um convite de um amigo. Surpresa porque o convite era para um show de ninguém menos que Andréa Bocelli. Pois é, nunca imaginaria que Andréa bocelli iria fazer um show no Brasil, e mais, que eu poderia presenciar esse acontecimento. Por incrível que pareça tenho uma tendência para música erudita, e sempre escutei algumas músicas na voz do tenor italiano. O show aconteceu dia 21 de abril no parque da independência em São Paulo. Foi incrível ter sido aberto ao público, os cariocas não tiveram tanta sorte o preço de ingressos no Rio variou de R$100,00 a R$1.200,00.

A Entrada

Tivemos mais algumas surpresas quando chegamos no local do show. Havia três filas, e as três se encontravam em apenas uma entrada. Decidimos não esperar em nenhuma fila, já que duas estavam paradas e a única que andava dava voltas em um quarteirão. Chegando no único portão aberto. Presenciamos um tumulto, todo mundo querendo entrar, e apenas um segurança para tomar conta (já vi shows de Rock and Roll mais organizados que esse de música erudita). Após um simpático casal furar fila e mais dezenas tentarem, o segurança exclama um pequeno palavrão e desiste de tentar conter a multidão. Nessa pequena brincadeira, aconteceu algo inédito, as senhoras e senhores de mais idade e dinheiro começam a furar fila na maior cara de pau. Se arrependimento matasse, eu estava jogando baralho com São Pedro nesse exato momento. Como na minha cabeça não veio a brilhante idéia de filmar o fato histórico, a única coisa que pensei na hora, foi de fotografar e consegui com louvor, mas quem dera ter filmado para fazer um documentário para a geração futura. Aproveitando a muvuca (que não é tão incomum para quem anda de trem e metrô) aproveitei para gritar: “Senhoras e senhores de idade furam fila primeiro!”. Bom, pelo menos foi divertida a entrada, e claro que só conseguimos entrar por que aproveitamos e furamos fila também. Mais tarde fiquei sabendo que segundo a prefeitura 10 mil pessoas ficaram do lado de fora enquanto 25 mil pessoas conseguiram entrar (furando fila provavelmente).

Pessoas furando a fila

Pessoas furando a fila.

Pesoas furando a fila

Pessoas furando a fila 2.

Pessoas frustradas por esperarem na fila.

Pessoas frustradas por esperarem na fila.

O Show

O local já estava lotado e ficamos relativamente longe, assistindo a tudo pelo telão. Estava garoando e uma senhora abriu o seu lindo guarda chuva [provavelmente da Luigi Bertolli], para tormento da galera, após alguns gritos educados de “Fecha esse guarda chuva, Porra!” ela se tocou. Pensei que a surpresas relacionadas ao show tivessem terminado, engano meu. Havia um rumor de que uma cantora brasileira cantaria junto com o tenor, pensei que seria alguém do meio, novamente estava enganado, a cantora escolhida para representar o Brasil era a rainha do AXÉ Ivete Sangalo (Da pra imaginar um show mais surreal como foi esse?). Após algumas músicas italianas como “Un Amore Cosi Grande”, “Mamma”, “Voglio Vivere Cosi”, “Funiculi Funicula”, e “A Marechiare” sobe no palco Toquinho que canta junto com Andréa Bocelli a música brasileira “Aquarela”, claro que em italiano. Após ouvirmos Toquinho ele chama ao palco e revela sem querer que Ivete esta grávida. Logo previ as noticias no dia seguinte: “Toquinho revela que Ivete Sangalo está grávida em show de Andrea bocelli”. Imaginem Andréa Bocelli cantando axé e animando um carnaval, quando falaram que a Ivete estaria no show, foi a primeira coisa que veio a cabeça. Ainda bem que cantaram músicas no estilo de Bocelli, teve direito até a uma música do Roberto Carlos.

Palco

Toquinho, Ivete Sangalo e Andrea Bocelli

Toquinho, Ivete Sangalo e Andrea Bocelli

Senti um certo preconceito de alguns amigos da cultura rockeira. “Você foi no show do Andréa Bocelli? Minha tia também.” Pois é, o show estava cheio de tias, tios, avôs e avós. Realizei meu sonho de ver Andréa Bocelli, vi Toquinho de tabela e Ivete Sangalo sem querer, e sigo cantando: “Jammo, jammo ‘Ncoppa jammo ja’ Jammo, jammo  ‘Ncoppa jammo ja’ Funiculí, funiculá Duniculí, funiculá ‘Ncoppa jammo ja’ Funiculí, funiculá”.

A Vingança sem Rosto

The Darkman

The Darkman

Se existe um horário na tv para passar bons filmes esse horário é de madrugada. Toda a minha existência foi acompanhada de insônia, e isso não foi tão ruim, afinal, foi de madrugada que conheci grandes filmes como Emanuelle, Clube da Luta, A Mosca, Os 12 Macacos, O Predador, Alien – O Oitavo Passageiro entre outros. Nesses dias, lembrei de um em especial, não lembrava muitos detalhes, só que era sobre um cientista sem rosto.

Com a bendita internet no ar, procurei por esse filme e acabei achando The Darkman. Poucas horas de download e estava eu ali diante de um clássico da minha infância. Algumas imagens do filme nunca fugiram da minha cabeça. A história lembra as de super-heróis, e não por acaso, o diretor do filme é nada mais nada menos que Sam Raimi (o cara que dirigiu Homem-Aranha). Os clichês de heróis não faltam como a mocinha em perigo, o vilão megalomaníaco e etc. Pesquisando mais sobre o filme descobri que a intenção de Sam Raimi era filmar “O Sombra”, sem conseguir os direitos acabou filmando seu próprio filme de herói.

A Vingança sem Rosto ou o Rosto da Vingança?

A Vingança sem Rosto ou o Rosto da Vingança?

Peyton Westlake (Liam Neeson) é um cientista que descobriu a fórmula da pele artificial, só que funciona apenas 99 minutos antes de derreter. As pesquisas de Peyton são interrompidas quando uma gangue explode seu laboratório. Sobrevivendo a explosão e agora com 40% do corpo queimado, os médicos realizam um novo procedimento, cortam seus nervos para que a dor não seja insuportável. Agora que não pode sentir dor, seu corpo é exposto a alguns efeitos colaterais, como a adrenalina que corre descontrolada pelo corpo dando-lhe maior força e seus sentimentos são ampliados causando solidão e alienação. Ingredientes perfeitos para o nascimento de um homem das trevas, que busca apenas uma coisa: A Vingança!

O filme não decepciona nos efeitos especiais, mesmo quase 20 anos depois. A história é bem contada tornando o filme empolgante. The Darkman é um dos melhores filmes de heróis mesmo que seu protagonista nunca tenha estrelado uma história em quadrinhos.