Uma verdade inconveniente


O Kilimanjaro visto em 1993 (na superior) e em 2000 (na inferior). A capa que o recobre diminuiu drasticamente como resultado do aquecimento global.

O Kilimanjaro, na Tanzânia, visto em 1993 (na superior) e em 2000 (na inferior). A capa que o recobre diminuiu drasticamente como resultado do aquecimento global.

Quando eu estava na escola, isto há mais de 25 anos atrás, nas aulas de geografia eu ouvia os professores falando sobre efeito estufa. Da maneira como falavam parecia um fenômeno isolado, típico de grandes cidades industrializadas, e que aquilo não afetava outras áreas, era só ali. Mas o tempo passou e começaram a mostrar na televisão florestas destruídas por uma tal chuva ácida, resultante da poluição gerada nos grandes centros industrializados que viajavam nas nuvens e caíam junto com a chuva em áreas a quilômetros de distância da origem.

Conforme o tempo foi passando começou a virar moda falarem de um tal buraco na camada de ozônio. Foi um verdadeiro terror, e acabaram com uns tais CFCs que ajudavam a destruir a camada de ozônio. Não ouço mais falar no tal buraco. Só sei que a última vez que ouvi falar disso eram dois, um no polo sul e outro menor no polo norte, mas ninguém ainda tinha certeza de quais as causas dos buracos e, oficialmente, os CFCs continuavam como culpados.

Nos anos 80, o então governador do estado de São Paulo tinha um projeto interessante e inovador para reflorestamento da Mata Atlântica no estado. Inventaram uma forma de “semear” as sementes sem que elas fossem levadas pelo vento para outras áreas, e a intenção era aumentar a área de floresta com espécies nativas. Nada de plantar eucalipto e pinheiro para reflorestamento – como aliás é feito até os dias de hoje aqui em Portugal (uma lástima). No final das contas, a área desmatada desde então superou e muito a área reflorestada. Lembro bem, de no final dos anos 80 e comecinho dos 90, ver a Mata Atlântica sendo queimada sem piedade e em seu lugar surgirem pastos e bananais.

Furacão Catarina, segundo alguns cientistas, resultado das mudanças climáticas devido ao aquecimento global.

Furacão Catarina, que atingiu o Brasil em 2004. Segundo alguns cientistas é resultado das mudanças climáticas devido ao aquecimento global.

Não esqueço também de minhas idas de trem para São Paulo. Quando chegava pela Lapa já começava a lacrimejar e meu nariz a coçar. Era só me aproximar da poluição que sentia a diferença.

Mas os tempos são outros. Agora a moda é falar em aquecimento global, é o termo que se usa no momento. A temperatura do globo está aumentado, o gelo dos polos derretendo, os oceanos inundarão áreas costeiras com a subida de nível devido ao degelo dos polos. Mais uma vez, alguém tenta alertar sobre as mudanças no planeta geradas por nossa forma destrutiva de vivermos. Creio que ainda verei algumas belas cidades costeiras serem encobertas pelas águas dos oceanos, e mais uma vez, deixar-se-á de falar em aquecimento global e outra moda surgirá.

Desde os anos 70, um político estadounidense fala do aquecimento global, reclama e tenta mostrar às pessoas que algo urgente deve ser feito. Em cerca de 30 anos nestas palestras ele acabou por esclarecer muita gente, mas não mudou o mundo, nem a mentalidade dos que de fato podem fazer algo para mudar esta situação. Em 2005 suas palestras foram transformadas em um filme, cujo título original é An Inconvenient Truth, que acabou por ganhar 2 Oscars (melhor documentário e música original) e rendeu um Prêmio Nobel da Paz ao político. A princípio não era interesse de Al Gore – é este o nome do político – fazer este documentário. Mas acabou persuadido a fazê-lo. Não é nenhuma superprodução, o que vale mesmo é o que é dito. Lógico que tem seus defeitos. No entanto, o que realmente importa é dito de forma didática, clara, acessível a qualquer pessoa – essencial para que uma mensagem seja entendida.

Uma verdade inconveniente é filme para se ver com atenção ao que é apresentado, e Al Gore mostra-se um professor com boa didática e muito bem informado sobre o assunto. Fica aqui esta sugestão de um documentário imperdível pelo que diz, para refletir, repensar sobre o que estamos fazendo aqui afinal. O site ofical do filme é Climatecrisis. Pode ser comprado aqui no Brasil e aqui em Portugal. Há também o livro que encontra-se aqui no Brasil e aqui em Portugal.

Anúncios

Uma opinião sobre “Uma verdade inconveniente

  1. Esse documentário é mto bom!
    Pena q poucos acreditam q tudo isso seja verdade, mesmo q a natureza esteja falando em alto e bom som que tudo q fazemos está errado!

    Haa na época da escola os professores viviam dizendo q o Brasil era abençoado, pois n tinha furação, terremoto, vulcão… só falta o último…. :-S

    Bjos!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s