4 Animais Extintos nos últimos 350 anos – Mamíferos Aquáticos


01) Baiji (Lipotes vexillifer):

baiji00O Baiji ou Golfinho-do-Yang-Tsé foi declarado funcionalmente extinto em agosto de 2007. Para que uma espécie seja declarada extinta é preciso que fique 50 anos sem ser avistada. Em dezembro de 2006 foi feita uma busca de mês e meio por 3.400 km do rio Yang-Tsé, não sendo encontrado um único animal vivo. Em 2007, no mesmo mês em que foi declarado extinto, um morador de Tonglin filmou com seu celular um exemplar nas margens do rio. Porém, segundo cientistas, ainda que reste algum espécime vivo, a população não é suficiente para garantir a sobrevivência da espécie.

O Baiji era um golfinho de água doce, encontrado apenas no rio Yang-Tsé na China. Sua coloração era de cinza a rosa claro, com olhos pequenos sendo praticamente cegos. Assim como seus parentes utilizava-se de sonar (ondas sonoras) para localizar objetos e alimento.

Vários fatores contribuíram para seu desaparecimento. Métodos ilegais de pesca, como a utilização de explosivos, foi um destes fatores. Outro fator que afetou a sua população foram choques com embarcações devido à grande quantidade de barcos circulando em seu habitat. Este é um problema não apenas no caso deste golfinho mas de inúmeros outros animais em risco de extinção. A poluição e construção de usinas hidrelétricas no Yang-Tsé também contribuíram para sua extinção, pois levaram à degradação de seu habitat. Resumindo, sua extinção deveu-se unicamente à ação humana.

Nos anos 80 só restavam 400 espécimes. O último espécime em cativeiro morreu em 2002. É o primeiro vertebrado de grande porte a ser extinto em mais de 50 anos.

______________________________________________________________________________________________

02) Dugongo-de-Steller (Hydrodamalis gigas):

dugongoO Dugongo-de-Steller foi extinto em 1768, quando o último espécime foi caçado.

Viviam no Mar de Bering, mas registros fósseis demonstram que habitaram uma zona bem mais extensa, chegando à costa da Califórnia (E.U.A.) e Japão.

Foi a maior espécie da ordem dos Sirenios, da qual também fazem parte o dugongo, peixes-boi e manati. Era o único que habitava águas polares.

Tinham em torno de 8 metros de comprimento, pesando entre 5 e 11 toneladas. O corpo era maciço, com cabeça pequena, olhos e narinas pequenos e não tinham orelhas. A pele era grossa, escura e áspera como a casca de uma árvore. Os adultos não tinham dentes. A cauda era em forma de leque e os membros dianteiros lembravam um gancho. Era um animal bastante lento, graças a sua forma e peso. Não ficavam muito tempo submersos, algo em torno de 5 minutos, subindo para respirar. No inverno seus corpos passavam por uma grande transformação, pois como seu alimento escasseava, consumiam quase toda a gordura de seus corpos.

O Dugongo-de-Steller era um animal herbívoro, adaptado para ambientes costeiros e águas frias pouco profundas. Vivia em pequenos grupos, próximo a desembocaduras de rios, chegando às praias quando a maré estava alta. Supõe-se que formavam casais monogâmicos, a gestação era longa e as fêmeas só tinham uma cria no outono. Eram dóceis e amigáveis.

No ano de 1741, um barco russo, o Saint Peter, conduzindo exploradores comandados por Vitus Bering (navegante dinamarquês a serviço da Rússia) naufragou entre a península de Kamchatka e as ilhas Aleutas. Entre os sobreviventes encontrava-se o médico e naturalista alemão Georg Wilhelm Steller. Os náufragos descobriram uma grande quantidade de vida selvagem, entre eles o Dugongo, que contava com uma população de cerca de 2000 indivíduos. Graças a estadia de 10 meses de Steller e os demais náugrafos nas ilhas Aleutas, conhece-se algo da vida deste animal, pois o naturalista alemão procurou observar todo o possível sobre seus hábitos. Foi também graças a esses náufragos que a notícia sobre a existência deste mamífero espalhou-se, atraindo caçadores.

A causa da extinção foi a chegada de colonos a seu habitat. Foi utilizado como fonte de alimento (relatos afirmam que a carne lembrava a das vacas). A gordura, que segundo dizem, tinha o aroma do óleo de amêndoas, era utilizada na culinária, como isolante e em iluminação. O leite era consumido como o das vacas, ou transformado em manteiga. O couro era utilizado para fabricação de roupas, solas de sapatos ou coberturas para os barcos.

Eram caçados com ganchos de ferro que os içavam e arrastavam para terra. Os demais membros do grupo não se afastavam do indivíduo capturado e inclusive tentavam libertá-lo do gancho, segundo contavam os caçadores deste animal.

Outro fator contribuiu para sua extinção. Com a chegada dos pescadores, as populações de lontras marinhas diminuiu drasticamente. Assim, os ouriços-do-mar dos quais elas se alimentavam passaram a ter uma superpopulação. Estes ouriços alimentavam-se das mesmas algas que os dugongos, passando a ser concorrentes destes no alimento. Com menos alimento e sendo caçados em excesso, extinguiram-se em apenas e somente 27 anos de contato com o homem.

O último animal capturado foi em 1768, apesar de até mesmo no século XX, há casos de supostos avistamentos, por todo o Pacífico Norte. Não foi conservado um único esqueleto completo.

____________________________________________________________________________________________

03) Foca-Monge-do-Caribe (Monachus tropicalis):

focamonge A Foca-Monge-do-Caribe foi declarada extinta na década de 1990. O momento exato de sua extinção é desconhecido, mas os cientistas supõem que algum espécime possa ter sobrevivido até as décadas de 1960 ou 1970.

Vivia em todo o Mar do Caribe chegando até o Golfo do México. Há notícias de avistamentos no sudeste dos E.U.A..

Seu tamanho era em torno de 2,20 e 2,40 m e chegava a pesar 130 kg. Tinha um corpo alongado e fino, com pelagem marrom no dorso e creme na barriga. Viviam de forma gregária, formando grupos numerosos. Descansavam e criavam seus filhotes nas praias. Sua alimentação eram peixes e crustáceos. Eram bem ativas, principalmente de manhã e no final da tarde. Viviam entre 20 e 30 anos. Seu predadores eram o tubarão caribenho e o homem.

A Foca-Monge-do-Caribe foi vista pela primeira vez pelos europeus em 1494, em uma das viagens de Cristóvão Colombo. Nesta época a população era estimada em 250 mil indivíduos.

Com a chegada dos colonos europeus tornaram-se um alvo fácil para a caça, sendo mortas às centenas em um único dia, segundo relatos. Sua carne servia de alimento, sua pele era usada para fabricação de roupas, sapatos e acessórios, e a gordura era transformada em óleo lubrificante para os barcos, entre os séculos XVII e XIX.

Além da caça para consumo da carne, pele e óleo, foi caçada para fins científicos, sendo alguns exemplares levados a coleções de Museus.

A última colônia foi localizada na ilha Serranilla, em 1952, época de seu último avistamento confirmado. Nesta época os biólogos já a consideravam condenada à extinção. Somente em 1967 foram classificadas como espécie ameaçada.

É considerada a única espécie de foca extinta pela ação humana.

______________________________________________________________________________________________

04) Leão-Marinho-Japonês (Zalophus japonicus):

leaomarinhojapa00

O Leão-Marinho-Japonês foi declarado extinto na década de 1990.

É mais um espécime que se extingue devido à caça excessiva, sem que seus hábitos cheguem a ser conhecidos.

Na década de 1950 já não era mais avistado, estando extinto provavelmente deste então.

___________________________________________________________________________________________

AnimalesExtincion.es

IUCN (International Union for Conservation of Nature) – website.

IUCN – Red List

Museo Argentino de Ciencias Naturales “Bernardino Rivadavia”

Saúde Animal

The Extinction Website

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s