Lince Ibérico


Lince Ibérico

Lince Ibérico (Linx pardinus)

Há um felino na Península Ibérica que parece uma mistura de Spock com brincos e Wolverine: é o Lince Ibérico (Linx pardinus), também conhecido como Cerval, Lobo-Cerval, Gato-Cravo, entre outros.

Este animal está praticamente extinto em Portugal, e só existe na Espanha em zonas protegidas, como o Parque Nacional de Doñana, no Centro de Reproducción El Acebuche, na província de Huelva. Na localidade portuguesa de Silves, no Algarve, foi criada uma área de proteção para a reprodução dos linces, sendo trazidos alguns espécimes de Doñana para povoá-lo, e assim, o lince volta a existir em Portugal.

Este é o felino mais ameaçado de extinção no planeta. Desde os anos 60 é considerada espécie protegida.

Habitava os bosques mediterrânicos do que hoje é Portugal e Espanha, assim como ocorria em menor escala no sul da França. A presença de linces em um território, para os povos de outros tempos, era sinal de limites, fronteira, dali não se passava. Eram os guardiões de zonas proibidas ao homem. De fato, sempre limitavam-se a zonas menos povoadas, isoladas e mais bem conservadas da ação humana. O aumento das cidades, construção de estradas e outras infra-estruturas próprias da sociedade humana, acabaram por limitar seu território. Não apenas limitou-se o território dos linces como separou-se as populações, levando a um cruzamento aparentado, que acaba por diminuir a natalidade e sobrevivência da espécie.

Seu “prato favorito” é o coelho, produto final de cerca de 90% de suas caçadas. Curiosamente, onde há linces há mais coelhos, pois com a presença do felino, outros predadores são empurrados para fora do território que passa a ser quase exclusivo deste animal. É necessário apenas um coelho por dia para que o lince tenha a energia necessária para sobreviver. Doenças introduzidas pelo homem levaram a uma diminuição da população de coelhos, outro fator que ajuda a ameaçar a existência do lince ibérico. O lince ibérico também consome outros animais, como aves, pequenos mamíferos ou o cervo, razão pela qual também conhecido como Cerval ou Lobo Cerval.

Fêmea com crias

Fêmea com crias

Seu território ocupa uma área relativamente pequena, de menos de 10km², mas isto quando há escassez de alimento. Era em situações destas que invadia o território humano, sendo presa para caçadores. A pele já foi largamente utilizada na confecção de roupas.

É um animal noturno e solitário, que só tem algum convívio social na época de reprodução. A fêmea cuida sozinha das crias, tendo que caçar até três coelhos por dia para alimentar-se e alimentar as crias. Normalmente nascem apenas três filhotes, e um sempre morre com poucos meses de vida.

De 1900 para cá, os territórios onde se podia encontrar o lince ibérico tiveram uma diminuição assustadora. Antes, eram encontrados em praticamente toda a península, até os Pirineus. Restam pequenas zonas ao sul da península onde se pode encontrar o lince, seja no meio natural ou em cativeiro. Só existem em torno de 250 espécimes, contando com os que vivem em cativeiro.

Lince caçando

Lince caçando

Em 2007 foi assinado o Pacto Ibérico para o Lince (Pacto Ibérico por el Lince), entre os governos nacionais de Portugal e Espanha, e os governos regionais de Extremadura, Castilha la Mancha e Andaluzia. O pacto visa conservar o material genético da espécie e criar novas áreas onde possam existir populações de lince ibérico, com condições favoráveis de alimentação e reprodução, para futura re-introdução na natureza.

Para saber mais sobre o lince ibérico, visite o site Lince Ibérico, onde há informações bem detalhadas sobre o animal e os programas para sua preservação, tanto na Espanha como em Portugal. Mais fotos de linces ibéricos no Parque Nacional de Doñana podem ser vistas aqui.

Em dezembro de 2008 foi lançado um filme de animação chamado El Lince Perdido (O lince perdido), que teve como garoto-propaganda Antonio Banderas. É um filme voltado para o público infantil com uma mensagem ecológica de fundo, cujo personagem principal é Felix, um lince ibérico. Veja o trailer aqui.

Foi feito um documentário intitulado Lince Ibérico: El Cazador Solitario, realizado pela Bitis Documentales e a Consejería de Medio Ambiente de la Junta de Andalucía, cujo objetivo é conscientizar a população sobre o alto risco de extinção que sofre o lince ibérico. As filmagens foram feitas entre 2002 e 2004, nos parques nacionais de Doñana e Dona em Huelva, e Sierra em Sierra Morena. Foi transmitido na televisão espanhola pelo Canal +, em 2005. Abaixo, o documentário pode ser visto na íntegra (mais informações aqui).

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s